sábado, 8 de outubro de 2011

APELOS

10 comentários:

Miguel Loureiro disse...

"Ainda de esperanças a natureza..." e é verdade, porque o meu limoeiro (que alimenta o meu azedume) para além dos frutos que já deu, continua a dar flor...

Anónimo disse...

Ibel, os bons poemas não se medem pela quantidade de palavras. Muito bom este «Apelos». Com «segundas intenções» bastante oportunas e indefensáveis. Ainda bem que voltou a publicar no seu blog! Beijinho da Sol.

avelino costa disse...

o verde em tempo, fora de tempo, esconde o espigueiro que outrora guardou o pão.

Abraço.
avelino

disse...

Ibel,
Ainda há esperança desde que estejamos perto da terra, das árvores, da natureza, no fim.
Fiquemos então com a esperança do verde.
Beijinhos.
Caldeira

disse...

Ibel,
Ainda há esperança desde que estejamos perto da terra, das árvores, da natureza, no fim.
Fiquemos então com a esperança do verde.
Beijinhos.
Caldeira

AC disse...

Pois é, Isabel, pena os brasidos dos corpos sem sombra. Mas, se há algo que se esvai em dor cada vez mais profunda, o verde esperança ainda se insinua. Apesar de tudo.

Beijo :)

AC disse...

Isabel,
Que a verdadeira essência de Natal se sobreponha ao gigantesco aparato comercial com que nos querem amordaçar.

Feliz Natal!

Anónimo disse...

DEIXO-LHE UM POEMA


A VIDA ´É POESIA,

A vida é poesia se os teus braços se entrelaçarem nos meus
E passeando na fímbria do mar desafiando as ondas
Cavalgando na praia,

Soubermos desafiar o destino.

A vida é poesia se tu quiseres e me disseres sim
A vida é
Assim

E com harmonia

Será vida com poesia

Às tardes, quando a passarada regressar aos quintais
E tu e eu de mãos dadas
Esperando que o silêncio volte
Para dentro de nós

E nos dê conselhos

A vida será poesia quando a manhã chegar
Carregada de cachos de uvas a dançar

E a sorrir

A vida será poesia
Se nos chegar o cheiro das rosas que vão florir

Antes do Inverno chegar.

Com a melodia dos ventos outonais
Com remoinho das pernadas dos pinheirais

E com tanta coisa mais

Vida com poesia, no compasso das primaveras
Só o amanhã o dirá..



JBS

E.A. disse...

Ibel,

Venho deixar um beijinho. Conto escrever-lhe um e-mail em breve. Faz-me falta.

AC disse...

Isabel,
Passei para lhe deixar um beijinho, mas não resisto: para quando o regresso?
Faz falta, muita falta.