terça-feira, 14 de maio de 2013

Madrigal

Escrevo o meu poema
com letras de saudade
em pasto de ternura
escrevo o meu poema com verdura
essa aveludada voz de verdes
em montes surreais
escrevo o meu poema e nada mais
que hoje repouso
a espada e a guerreira
para que seja madrigal
esta saudade à tua beira.
maria isabel fidalgo

1 comentário:

AC disse...

Isabel,
O traço das suas palavras é inconfundível. Faz-me tão bem a sua poesia!
(Passando para desejar boas férias e que tudo esteja bem consigo e com os seus)

Beijo :)